quarta-feira, 23 de abril de 2008

Recomecem, vivam novamente...

Iniciei-me nos blogs, visando passar aos leitores as minhas experiências em retomar a vida após ter ficado viúvo.
Minhas filhas pediram-me para que eu retornasse ao ponto de partida, para que de alguma forma eu pudesse dar visão àqueles que hoje estão passando pelo que passei há alguns anos atrás.
Para que saibam, estou namorando, praticamente casado novamente.
O trauma de uma viuvez às vezes, amedronta de tamanha forma que têm pessoas que sucumbem, deixam de viver e estacionam suas vidas em algo que é irreparável : a morte de um ente querido.
Não sou psicólogo e nem terapeuta alternativo, mas aprendi que de alguma forma as pessoas que perdem entes queridos, independente de grau de parentesco, devem olhar sempre para frente, por mais que a superação pareça impossível.
Desarmar o coração em relação ao passado, também é necessário. Há casos onde fica a mágoa ou culpa, nos processos mal resolvidos pelo desenlace.
Retomar a vida tem seu momento singular, próprio para cada pessoa.
Eu demorei um ano para voltar à carga total e buscar a minha felicidade em todos os sentidos.
Minha mulher faleceu em Julho de 2002.
Jovem, sem antes ter acusado qualquer enfermidade, morreu subitamente de embolia pulmonar, provocada por um embolo sanguíneo que se desprendeu de sua perna.
Um verdadeiro choque, para mim e para os filhos que presenciaram desde o início do processo até o ponto derradeiro, a morte.
Busquei de todas as formas adequar minha vida e a dos meus filhos. Errei muito, acertei também, mas jamais deixei de estar buscando, de estar partindo para o futuro.
Mudou muito a minha sensibilidade, bem como, a forma de ver a vida e o mundo.
A minha arrogância caiu por terra, tive coragem de buscar um psiquiatra e de arrumar fisicamente o meu estado mental.
Queiram ou não, quem passa por situações como a que nós passamos, deprime-se sem perceber.
Busquei ajuda profissional para que o meu recomeço tivesse sucesso, pelo menos clareza nos propósitos.
Tenho um amigo que é viúvo desde a mesma época que eu, o qual decidiu nunca mais se casar ou ter alguém, por estar ainda muito viva a presença da sua falecida esposa.
Sinto a tristeza no olhar e em tudo que meu amigo faz.
Ter alguém não é matar a lembrança de quem, durante um tempo,amamos em nossa vida!
Ter alguém é avivar a realidade que o nosso coração tem na capacidade de amar de forma diferente; de estar presente para a vida e para o futuro.
Ter alguém é saber que somos capazes de amar e muito; de errar muito menos do que erramos no passado; de prosseguir e se fazer útil à sociedade.
Para se amar alguém, antes de tudo, tem que aprender a amar a si próprio.
Jamais estaremos substituindo nossas lembranças, mas sim guardando-as bem no lugar onde elas se fizeram presentes: no passado.
Optar por uma viuvez eterna para mim só é valida se somarmos de alguma forma melhorias à sociedade.
Ser viúvo eternamente é uma decisão de foro íntimo, portanto, pessoal.
Eu não nasci para viver sozinho. Eu sozinho posso perecer.
Mas demorou achar alguém. Errei muito com a procura, bem como me decepcionei muito com as diversas formas de caráter que convivi.
Mas há uma conjuminação universal que faz atrair sempre o que é de bom para cada criatura. A partir do momento que elevei meu pensamento, que procurei apenas trabalhar, ser solidário, as coisas começaram a fluir.
Em todos os níveis fluíram as coisas em minha vida.
Do nada surgiu alguém que eu adoro; com o qual jamais pensei que fosse conviver como convivo.
Nada fiz para evitar, pois sabia que também era resultado da minha resignação e perseverança em relação a vida.
Mas eu sou eu e vários outros viúvos têm sua forma de ação e de vida.
Apenas acredito que a soma das nossas virtudes são muito divinas para que guardemos só para nós. De alguma forma, nós que passamos a experiência da separação, nos mudamos como homens. Esse ganho tem que ser partilhado com aqueles que necessitam ouvir ou conhecer nossas experiências.
Sejam felizes procurando ardentemente a felicidade.
Aqueles que queiram conversar, mandem-me emails que eu terei o maior prazer em responder.
Abraços a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário