sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Os vários filhos do Brasil

Era uma vez um País abaixo da linha do Equador, chamado Brasil.
De início colônia, povoada por pessoas não quistas em seus países e degredados para cá. Eram criminosos, prostitutas, pessoas em sua maioria indesejáveis à Corôa.
Desde o início privilégios foram dados a alguns, que por sorte, deveriam se ocupar no desenvolvimento e na ordem da Colônia.
Passamos por períodos trágicos da história, com a adoção da escravatura, de julgamentos sumários, de delapidação da Colônia, que mal sabiam um dia seria um País.
Aqueles privilegiados foram se sucedendo entre suas próprias famílias, e uma imensidão de pessoas se aglomerando em volta deles.
Não havia muito a se esperar de um lugar onde tudo dependia de ordens do além mar.
Pois bem, tivemos praticamente um império voltado aos desígneos de seus súditos até meados do século XX.
Veio a República e a sua construção passou por golpes, revoluções e vários outros descalabros, e seus filhos, aqueles mesmos que se aglomeravam em torno de donos de Capitanias, que passaram pelos devaneios de um Imperador namorador e por outro incapaz, viam em seus líderes a possibilidade de emergirem da penumbra. Descontinuaram a escravatura e deixaram aqueles que enriqueceram alguns privilegiados jogados à sorte.
Aqui temos filhos do ventre da Pátria, que somos nós, a grande maioria da população.
Temos os filhos do poder, que se colocam acima do Brasil.
E os filhos sem origem, pois não têm ligações com a Pátria, não nos consideram irmãos e como os colonizadores, agem acima da lei e da realidade.
Nós os filhos da Pátria, pagamos com nosso suor e sangue para que eles se mantenham. O pior é que eles nem sabem ou fazem de conta de não saberem que existimos.
A grande maioria tem dificuldade de morar, de estudar, de trabalhar e de viver. Morre na mão de criminosos que estão fazendo a seleção natural populacional da Pátria. Morremos incólumes e quem nos deveria acudir, criam facilidades para que os nossos algozes voltem ao convívio dos filhos da Pátr

Nenhum comentário:

Postar um comentário