sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Modelos da pesada, os gordos agora nas passarelas


HOMENS GORDOS TAMBÉM SABEM DESFILAR

By Bruno B. Soraggi; Fotos por Matheus Chiaratti
O IBGE já tabulou: mais da metade dos homens do Brasil está acima do peso ideal. Não necessariamente ao ponto de vedar cisternas (esses são 12,4%), só suficientemente densos pra que a OMS os inclua nos índices de sobrepeso [IMC > 24,9]. Claro que isso pode dar muita merda, mas também pode ser da hora. Exemplo: gordinhos ou mais fazendo gordices com estilo. E foi uma prévia disso que aconteceu no sábado passado. Era o casting para o primeiro desfile masculino da semana de dois dias Fashion Week Plus Size, que no fim de semana de 11 e 12 de fevereiro vai levar ao Centro de Convenções Frei Caneca a coleção Outono/Inverno 2012 pra quem sente menos frio. 
A seleção foi marcada para a partir das 10h na loja de Moema da grife Kauê, uma das poucas, disse a fundadora e diretora de estilo Márcia Chican, a atender o público viril plus size (anglicismo usado aqui para as circunferências latitudinais protuberantes, mas que nos EUA chama full figured). A marca vai ser a única participante do début dos robustos, oferencendo ao todo oito looks. "Quando começamos a divulgar a versão masculina do desfile outras marcas vieram nos procurar interessadas, mas já tínhamos nos compromissado com a Kauê", explicou a organizadora do FWPS Renata Poskus Vaz. 
Cinturinha de Ellen Rocha.
O primeiro a chegar foi o Denis Pimentta, ator, 37 anos, 1,81m de altura, 120kg, manequim 50, prato preferido "feijoada". Só que ele veio sem as fotos de rosto e corpo inteiro impressas, um dos pré-requisitos para quem quisesse concorrer às vagas -- os outros eram medir pelo menos 1,71m e vestir 48 no mínimo. Denis tinha o que faltava no pen drive, então ele teve que ir ao shopping resolver aquilo e voltar depois. Nisso os tentativas de new face começaram a aglutinar. Chegavam, preenchiam uma ficha com dados de pessoa física e físico, subiam ao segundo andar e aconteciam.
Esse é o "Sley", abreviação de Wesley. Por "sorte", ele mesmo disse, o apelido dele ficou esse desde a época da escola.
"Quero que você venha caminhando daquela parede até aqui [a mesa dos jurados], pare, faça uma pose para os fotógrafos e volte", eram as instruções gerais. Às vezes, surgiam outras. "Me pediram pra fazer cara de modelo, mas eu não sei o que é uma cara de modelo! [Risos] Tive que improvisar. Acho que pro desfile vou treinar alguma coisa tipo Zoolander, fazer uns biquinhos... Quem sabe", falou o representante comercial Wesley Moisés, 32, 1,76, 117kg, 54. Ele foi até lá porque a namorada tinha "botado mó pilha", contou apontando pras fotos que tinha trazido dos dois passando o Ano Novo em Atibaia. "Eram as mais recentes que eu tinha." OK. "Meu prato favorito? Strogonoff e bife à parmegiana."
Jurado: "Assim você vai parar na G Magazine!". Ademir: "Tão pagando bem?"
"Hummm...", se deliciou o Ademir Antônio Caetano, 42, 1,74m, 90kg, que estava ali do lado. "Massa! Tudo o que é massa! Lasaaanha..... Miojo?! De segunda a segunda. É só variar: miojo com salsicha, miojo com pedaço de frango. Esses dias, juro, olha o que eu fiz: piquei cebola e fígado e botei no miojo!" Aí trocamos receitas -- a melhor: "requeijão, tomate picado, queijo por cima e derreter no forno, amigo", e ele me disse que tinha ficado sabendo da parada ontem durante uma festa [oportunidade X ressaca]. Falamos de padrões de beleza, saúde é o que interessa, e que fazer exercício é mesmo um saco (!). Olá, esse é o professor de Educação Física mais legal do Brasil. 
O Gustavo foi de óculos escuros, só que a Renata pediu pra tirar. "Vai que você é meio vesguinho. [Risos]"
Mas voltando. Caras aparecendo porque mulheres, amigas ou acompanhantes, pediram foi o que mais teve. Tipo o dono de padaria Gustavo Diniz, 23, 1,90m, 94kg, fã de massas. "Ontem ela [Ludimila, 20, sua namorada desde quando ele tinha 180kg, já que ano passado ele reduziu o estômago] me ligou falando dessecasting, e eu falei que não tinha muito jeito pra isso. Mas ela mandou uma foto pra organização e falaram que eu era top! [Risos] É interessante alguém falar assim de você, mas vim pra conhecer mesmo." Ludimila: "Ele sempre gostou de se arrumar, de se vestir bem. E é muito simpático, tem esse jeito de cativar as pessoas. Sempre gostei do jeito que ele é". "Nunca tive problema com meu peso, mas eu fiz a cirurgia porque futuramente poderia ter. Mas nem quero perder mais peso, não quero ficar magrinho. Estou ótimo assim", assume. 
João Vicente: "Aqui no Brasil é difícil encontrar camisetas do meu tamanho."  Essa ele comprou nos EUA, a nave-mãe. 
Mas óbvio que nem todo mundo tava 100% limpo. "Bicho, quando eu for ao médico eu estou ferrado! [Risos] Deixei passar a virada de ano -- não ia falar que ia segurar a boca bem nessa época, né? --, mas agora vou". Sobre o saudável X abraçável, ex-lutador de judô com joelho zoado e por isso engordado João Vicente Ferreira, 36, 1,78m, 130kg  mandou o ipon: "Meu problema é saúde. Na aparência não me incomoda ser gordinho. Não me atrapalha em nada, a mulherada continua olhando... E outra coisa: na hora do pega pra capar, aquela barriga tanquinho não serve de nada. Ninguém lava roupa na cama! [Risos]."
O pingente em forma de pimenta "É marketing pessoal. [Risos]"
E daí o Denis voltou. Fala Denis: "É a primeira vez que eu faço trabalho com moda. Vi um anúncio no Facebook da Renata e vim, porque todo trabalho que vier é bom. Já estou há tanto tempo batalhando no teatro, nunca tinha achado uma oportunidade em moda para homens. Isso é legal porque no teatro até tem espaço para os gordinhos. Mas na publicidade não muito. Geralmente pegam gordinhos pra fazer tipos, sabe? Cozinheiro, padre... Mas a gente não é mais minoria, então tá na hora de a gente começar a batalhar por um espaço".
Alguns dos books levados. 
Levando em conta que grande parte dos presentes nunca tinha sequer sonhado em pisotear uma passarela, o resultado final, pelo que parece, agradou a comissão selecionadora (aka Márcia). "Me pareceu mais profissional do que o das meninas. No sentido de.... O que é ser um modelo plus size? Tem que saber desfilar, ser simpático, carismático e ter um corpo proporcional. O segmento plus size é um segmento para tamanhos grandes, mas pra quem também quer estar na moda. Eu também estou antenada com a moda. Não é só porque é gordinha ou gordinho que vai lá e vai aparecer, desfilar. É a mesma coisa que um modelo, só um pouco mais gordinho." 
Ao todo, 15 pessoas apareceram, incluindo aí um aliciado naquele mesmo dia enquanto comprava roupas com a mãe para uma viagem que fariam para a Espanha dali a alguns dias e cogitaria mudar a data das passagens caso fosse escolhido pra desfilar (boa sorte!) Fora os dois já 'veteranos' Roberto Labati, diretor de arte, 31, 1,80, 115kg, 48, "arroz, purê, carne moída e feijão da vovó" -- que com a experiência de quem já desfila há mais ou menos um ano para eventos internos da própria Kauê, nunca sai até qualquer outra esquina sem cueca boxer (pra não assar) -- e o músico antes avesso às gordinhas e hoje casal de uma, Michel Guto, 24, 1,80m, 120kg, vestimenta 50, comida que mais gosta "tudo!". "Ele sempre teve namoradas magrinhas, e antes de a gente começar a namorar ele ficava dando ouvido pras piadas dos amigos", disse a companhia dele, Simone Fiuza, 25 -- há 7 anos modelo. Ele mudou de ideia por um motivo muito simples. "É tipo comida. Sabe quando você fala que não gosta de uma coisa sem nunca ter comido? Então...". "Nossa, amor! Me comparando com comida? Que coisa de gordo!".
Michel LIKE A BOWSER! Guto e sua amada Simone.

Nenhum comentário:

Postar um comentário