segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Homens que apanham de suas mulheres


Mas se engana quem pensa que só elas são vítimas de agressões dentro de casa. Os homens também apanham e isso é mais comum do que se imagina! A diferença é que, na nossa cultura machista, os casos acabam sendo mantidos sob sigilo. É o tipo de assunto que, na maioria das vezes, nem o melhor amigo fica sabendo…
Uma pesquisa publicada no ano passado no American Journal of Preventive Medicine, coordenada pelo médico americano Robert J. Reid, ouviu mais de 400 homens aleatoriamente, por telefone, dos quais:
- 5% afirmaram terem sido vítimas da violência doméstica no último ano;
- 10% nos últimos cinco anos e
- 29% em algum momento da vida.

Por violência doméstica, o estudo considera tanto abusos físicos como psicológicos. A maioria dos homens agredidos – pertencentes a diversas faixas etárias e sociais – ainda permanece em seus casamentos por anos.
Pesquisa de Crimes do Reino Unido 2007/2008, divulgada em janeiro deste ano, comprova o fato de que os homens realmente são agredidos pelas mulheres: 20% já sofreram algum tipo de violência dentro de casa, sendo que 17% foram vítimas da esposa. Desses, 21% passaram pela situação duas vezes e 2% alegam que deixaram a agressão acontecer pela terceira vez.
O assunto tem preocupado associações no mundo todo. Em Portugal, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima é uma das que presta apoio a qualquer pessoa que sofra violência doméstica e já constatou que, em 10% dos casos atendidos, a vítima é um homem. No Reino Unido, duas associações cuidam especificamente da assistência aos homens agredidos: a Man Kind e a Men’s Advice Line.
No Brasil é muito comum homens apanharem ferrenhamente de suas parceiras, mas a vergonha é tamanha que o agredido, normalmente cala-se, amordaça-se e faz de conta que caiu de cima de uma laje, pois é mais fácil explicar isso do que assumir que tomou um pau da parceira.
Há sugestões inclusive, para que seja criada uma lei masculina aos moldes da lei Maria da Penha.
Já há várias sugestões, mas a mais provável seria a lei "Valei-me São Benedito".

Um comentário:

  1. Concordo com a sua opinião, e ressalto que atualmente, com a criação da Lei Maria da Penha, as mulheres se sentiram blindadas e passaram a proceder com abuso na relação com o parceiro, tendo em vista que agora existe uma proteção desigual, a partes que são isonomicamente tratadas em nosso ordenamento juridico e em especial, constitucional. Desta forma, esta aberração juridica que ingressou no nosso ordenamento, produziu e exarcebou, este fenomento que sempre existiu na nossa sociedade, mas que agora, tornou-se mais ainda ocultado e de uma certa forma, descredibilizado, que são as agressões sofridas por homens, dentro de uma relação conjugal. Hoje em dia, o homem tem vergonha de dizer que sofre constrangimento fisico e moral, as autoridades tendem a desacredita-lo, e a reprimenda moral que recebe o agredido,a expor estes fatos, são um jubilo tão degradante para esta vitima, que torna este fenomeno social cada vez mais escondido aos olhos das autoridades e consequentemente invisiveis à apuração e punição.

    ResponderExcluir