quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O crime da Serra da Cantareira e a devoção a Santa Luzia



Santa Luzia virgem e mártir

Santa Luzia, com a palma na mão que representa o martírio
Veja também neste texto a vida e martírio de Santa Luzia.
   Quando era estudante tinha pesquisado a vida de Santa Luzia, tendo essa pesquisa comigo ainda hoje, coloco aqui para você leitor do Repórter de Cristo. Você vai gostar de conhecer resumidamente a vida desta grande santa católica.

Santa Luzia
            
  
Geralda Lúcia Ferraz Guabiraba. Imagem postada no Facebook, por sua filha, com a legenda “Te amo…Saudades”
      No dia 14/01/2012 0 foi encontrado na Pedra da Macumba, em Mairiporã, o corpo da Sra. Geralda. O local é chamado de Pedra da Macumba,  porque é ponto de trabalhos de macumbeiros.
Arrancaram toda a pele e olhos de seu rosto

Arrancaram toda pele e olhos de seu rosto cruelmente!
Ela foi assassinada de modo cruel, e muito estranho. Seu corpo foi colocado na posição

Pedra da Macumba
 em que Cristo morreu na cruz, braços abertos, pernas unidas. Em seu pescoço havia um escapulário trazido da Itália, país onde Santa Luzia foi assassinada. A Sra. Geralda teve o pescoço cortado, os olhos, e pele do rosto foram arrancados. Ao lado, foram encontrados um caco de vidro, uma taça quebrada, uma garrafa, alguns frascos e um copo de alumínio, ambos sujos de sangue. A policia anda não resolveu o caso.
   O Poder Judiciário informou à polícia que dois casos semelhantes foram registrados na capital nos anos 2000 e 2004.

Padre Geraldo Ascari
   O padre Geraldo Ascari, declarou na Delegacia de Mairiporã, Grande São Paulo, que Geralda era devota de Santa Luzia.
   Geralda frequentava a paróquia Santa Cruz, na Avenida Santa Inês, Zona Norte. Era membro da Associação de Apostolado da Oração. Era muito religiosa desde criança. Sempre ajudou nos serviços da igreja de Minas Gerais onde nasceu. Seus últimos trabalhos de evangelização foram levar a Palavra de Deus às pessoas doentes.
   Irmãos! Oremos por Geralda segundo o costume católico, por seu marido, filhos e familiares, que neste momento estão a sofrer dor tão profunda. Lembremos deles na Santa Missa e Comunhão.
   E o que tem haver Geralda com Sta. Luzia?
  São as muitassuposições absurdasque surgiram desse crime, exemplo:
   – O crime foi cometido por alguém que pretendia submeter Geralda martírio de Sta. Luzia.
   –Geralda mesma planejou tudo para ser reconhecida depois de morta como santa.
   Além destas absurdas fofocas, outras estão sendo feitas:
      Os boatos caluniadores contra a nossa fé:
   – Estão fazendo uma ligação do assassinato com a fé católica.
   – Estão sugerindo que foi por causa da fé, por Geralda ser devota de Sta. Luzia, que ela se suicidou.
   – Que Geralda foi assassinada pelo sincretismo religioso da Igreja Católica, que em seus templos unifica o catolicismo com a macumba, budismo, umbanda, vodu, espiritismo.
   – Essa católica foi assassinada porque participou de algum ritual de magia negra promovido pela fé dela.
   – Outras perversidades é espalharem o boato de que houve uma relação entre a fé pregada pela Igreja Católica, e o crime, ao perguntarem e afirmarem perguntando, o seguinte: Até aonde a religião católica tem culpa? Se uma das linhas de investigação da Polícia Civil, é de que o assassinato de Geralda pode estar ligado à forma como Sta. Luzia morreu?
   O que é estranho é a maldade de quererem culpar a fé católica, pelo modo de como Geralda foi assassinada.
   De onde vem esse prazer mórbido em caluniar a Igreja Católica?
  São Paulo perguntou:“Então, por que não faríamos o mal para que dele venha o bem, expressão que os caluniadores, falsamente, nos atribuem? É justo que estes tais sejam condenados” (Rm 3, 8).
   Nós católicos sabemos que Santa Luzia foi morta com uma punhalada no pescoço, seus olhos foram arrancados. Mataram-na deste modo, por não conseguirem mata-la na fogueira.
   Depois que os perseguidores da fé católica, tentaram matar Sta. Luzia queimada na fogueira, e não conseguiram, resolveram decapitá-la.
  Porque não conseguiram incendiar seu corpo?
   Porque o Espírito Santo fez seu corpo ficar tão pesado que ninguém tinha força para movê-lo.
                                                     CONHEÇA UM POUCO DA VIDA DE SANTA LUZIA

Santa Luzia

Santa Luzia
Santa Luzia era uma jovem muito bela, nasceu em Siracusa, cidade da Sicília (Itália), entre os anos de 280 a 290, em uma tradicional família siciliana. Luzia foi criada nos princípios da religião católica. Por ser bela de corpo e alma, a jovem italiana era cercada de homens que queriam casar com ela.
   Mas todos eram rejeitados educadamente, eles não sabiam que a bela jovem tinha feito a promessa de entregar sua virgindade a Deus.

Eutíquia e Santa Luzia junto ao túmulo de Santa Ágata, por Jacobello del Fiore
   Quando criança aos 4 anos, sofreu a morte de seu pai. A mãe Eutíquia, mulher boa e temente a Deus, porém cheia de uma preocupação humana em relação a Luzia, com fé, mas sem fé firme em Deus, com medo de morrer e deixar a filha desamparada, queria casá-la, mesmo sabendo que sua filha tinha feito votos perpétuos, de pertencer somente a Jesus. E assim insistiu no matrimônio de Luzia, com Múcio, jovem pagão da cidade de Siracusa.

Santa Águeda foi uma virgem e mártir, padroeira de Catânia, filha de nobres cataneses. Viveu entre os séculos III e IV durante a dominação romana do pro-cônsul Quinciano. FOI MARTIRIZADA durante as perseguições de Décio, o Diocleciano. O seu nome aparece no Cânone Romano já em tempos remotíssimos. Águeda (em italiano e siciliano Agata) nasceu em Catânia. Alguns historiadores apontam o ano de seu nascimento entre 230 e 235. Segundo a tradição cristã, Águeda consagrou-se a Deus com quinze anos de idade. Depois de inúmeras tentativas de Quinciano para corrompê-la, Águeda FOI ENCARCERADA E TORTURADA. Foi CHICOTEADA E OS SEUS SEIOS FORAM ARRANCADOS COM TENAZES, mas, ela foi curada dos ferimentos por São Pedro, que a visitou na prisão. Por fim, Águeda foi submetida ao SUPLÍCIO DE BRASAS ARDENTES e na noite seguinte, 5 de Fevereiro de 251 (alguns sugerem o ano de 254), faleceu na sua cela. A SUA MORTE FOI SEGUIDA DE UM TREMOR DE TERRA QUE ABALOU TODA A CIDADE. Um ano após a sua morte, o Etna entrou em erupção, despejando um mar de lava em direção a Catânia. Então os habitantes colocaram o véu que cobria a sepultura de Ágata diante do fogo, que parou imediatamente, poupando a cidade. Desde então, a sua proteção é invocada contra os TREMORES DE TERRA, AS ERUPÇÕES VULCÂNICAS E OS INCÊNDIOS.
   Vendo Luzia que sua mãe sofria muito com doenças, convidou-a a ir com ela ao tumulo deSanta Ágata,para pedir a cura a Deus, pela intercessão da Santa. Ao rezar, Luzia adormeceu, viu em sonho sua santa de devoção,Santa Ágata, que disse:
  “Que desejas de mim querida irmã? Tua mãe já está curada graças a tua fé. Saiba que como Deus dignou Glorificar a cidade de Catânia por minha causa, assim Siracusa será celebre por ti. Porque pela sua virgindade preparastes agradável morada a Deus em teu coração”. Luzia ficou muita alegre por Deus a ter aceitado em seus serviços, e a oferta de sua virgindade por se manter casta durante toda a vida.

Santa Ágata que apareceu em sonho a Santa Luzia durante o momento de seu martírio onde os carrascos arrancaram seus seios.
A mãe de Luzia mesmo sendo mulher religiosa, não soube ser grata a Deus pela cura, e continuava a querer o casamento de sua filha. Contudo Luzia era firme em seu proposito de ser toda de Jesus. Um dia pediu a sua mãe a parte da herança que era sua, e distribui tudo aos pobres.
  Luzia e sua família eram fervorosos praticantes da fé católica, viviam como verdadeiros cristãos, renunciados de se, carregando cada qual sua cruz atrás de Jesus. Eram pessoas de muita oração pessoal e comunitária nas catacumbas com os demais cristãos. Sendo muito ricos ajudavamgenerosamente os pobres e necessitados com seus bens matérias, sem nunca esquecer de evangelizar os que não eram evangelizados e de apoiar a fé dos cristãos sofredores e perseguidos por causa da fé católica.
   O modo de vida cristã da família de Luzia chegou até ao conhecimento dos perseguidores de Cristo. Queriam fazer alguma coisa, queriam mata-los, mas não encontrava nada para acusa-los.

Carabinieri em cavalos durante o cortejo histórico na festa de Santa Luzia de codornas Siracusa, Sicília, Itália
Múcio, que se considerava noivo de Luzia sem o ser, ficou irado com a atitude de Luzia de distribuir seus bens aos pobres, bens aos quais ele queria juntar aos seus, quando casasse com Luzia. Vendo que Luzia gentilmente o rejeitava, e que jamais iria casar com ela, revoltado a denunciou ao imperador Pascácio, dizendo que Luzia o desprezava, o humilhava, por isso queria a intervenção da justiça imperial.
  Pascácio que procurava um pretexto contra os cristãos ricos de Roma, se aproveitou da

Santa Luzia diante do juiz, por Lorenzo Lotto, 1523-1532
denuncia, e mandou prender Luzia. Os soldados romanos foram a casa dela, e a trouxeram como prisioneira. Diante do imperador Pascácio, obrigaram Luzia a abandonar o cristianismo, renunciar a Jesus Cristo como Deus, adorar os deuses romanos, e aceitar Múcio como marido, caso contrario seria morta.
   Sem nenhum temor Luzia permaneceu de pé diante destas ameaças. O imperador se sentindo perturbado e confuso; dirigiu-se a Luzia e ameaçou estupra-la.
   Luzia temeu perder sua castidade, apavorada orou a Deus, imediatamente o Espírito Santo a confortou e a inspirou, então ela respondeu:

Procissão de Santa Luzia na Suécia.
“O corpo só é violado quando há consentimento e por isso mesmo eu te digo: Deus que conhece os meus desejos, propósitos e pensamentos, sabe que eu de modo algum lhe serei infiel, enquanto tu, Pascásio, não podes induzir-me ao pecado. Aqui está meu corpo disposto a todas as torturas : porque demoras? Começa a por em prática o que teu pai, o demônio, deseja”.
   Pascácio ordenou mais uma vez que ela adorasse os deuses romanos.

Martírio de Santa Luzia
Luzia cheia de fé disse:
  “Adoro a um só Deus verdadeiro e a ele prometi fidelidade e castidade”.
   Pascácio irado com estas palavras ordenou aos soldados:
   “Tragam-na aqui. Obriguem-na a se ajoelhar e adorar nossos deuses”.
      Porém o corpo de Luzia ficou mais pesado que chumbo. O soldados tentavam demovê-la, mas em vão, a força de todos os soldados juntos, não conseguiu movê-la um milímetro do lugar em que estava.

Os soldados usam de cordas e muita força para tirar Sta. Luzia do lugar, mas nenhuma força humana era capaz de movê-la.
   Depois de certo tempo em que o imperador, e seus soldados, não sabiam o que fazer, sentindo-se confusos e humilhados, ficaram calados, até que Luzia se mexeu. O imperador aproveitou, e ordenou que a levassem para o calabouço, enquanto ele e seus juízes decidiriam o que fazer com ela.
St. Luchy's Catholic church
Igreja de Santa Luzia, construída em 1895, fica entre Jersey City e Hoboken, a apenas uma quadra ou duas da estrada que leva ao Túnel Holland. Infelizmente está como está a maioria da Igrejas católicas da Europa, vazias. É visitada por turistas que buscam monumentos antigos e não por Jesus Cristo. Os padres nem ligam para essa situação, estão muito preocupados com suas próprias vidas. Apenas um ou outro, tenta fazer alguma coisa, mas são impedidos por seus superiores ou pelos outros padres de continuarem.
  No calabouço Santa Luzia foi espancada, humilhada, torturada, teve seus olhos arrancados, mas imediatamente, do nada surgiram outros olhos, mas belos que os anteriores.
   Decidiram queimá-la na fogueira. Mandaram os guardas trazê-la para o julgamento publico. A julgaram culpada, inimiga de Roma, e a condenaram a fogueira, foi dado a ordem para leva-la e executar a sentença.

Representação da tentativa fracassada para queimar Sta. Luzia.
   Os soldados pegaram seus braços bruscamente para conduzi-la a morte, mas tiveram outra surpresa, seu corpo ficou irremovível, por mais que puxasse, empurrassem, nada movia aquela jovem de corpo franzino.
   Olharam para o imperador, e para Múcio o delator de Luzia, ninguém sabia o que fazer,achavam que era feitiçaria, pois não conheciam a Deus e seu poder, por isso pensavam ser feitiçaria.O imperador Pascácio, cheio de vergonha e raiva, gritou:
   “Vamos queimá-la dentro do palácio. Desta vez não quero correr riscos. Faremos uma fogueira diferente. Despejaremos em suas vestes e também ao seu redor azeite, pixe e resina. Verão que bela fogueira teremos”.
   Mas nada adiantou, Luzia estava sob a proteção de Deus na terra, até que chegasse o momento de morrer para entrar no Céu. O imperador mandou colocar sobre Luzia muita madeira, lenha, azeite, pixe, resina, palha, além de tudo o que ele considerava inflamável, mas nada pegava fogo.
   Envergonhado e transtornado, Pascácio mandou um de seus guardas que a decapitassem. O guarda afundou um punhal na garganta que a transpassou. Luzia entregou sua alma ao Criador. Seu corpo tombou sem vida, mas seu espírito acabava de entrar no Céu, onde Deus lhe conferiu a glória de uma heroína da fé, da fidelidade, da castidade, e de mártir.

Os três episódios da vida de Santa Luzia que são descritas aqui baseiam-se em conta na Legenda Aurea (século XIII). Em gratidão pela cura da mãe de Lucy, após uma peregrinação ao túmulo de St Agatha, ambos decidiram dar suas posses aos pobres (primeira cena). Em seguida, Lucy foi levado perante o cônsul de seu noivo e por conta de sua fé, ela foi condenada à prostituição (segunda cena). Lucy miraculosamenteTORNOU-SE TÃO PESADO QUE ATÉ MIL JUNTAS DE BOIS NÃO PODERIA AFASTÁ-LA (terceira cena). Legenda de Santa Luzia - por Mestre do São Lucy Legend - de Sint-Jacobskerk, Bruges. . . .

Santa Luzia cai depois de ser apunhalada na garganta.
Quando caiu martirizada o corpo de Luzia permaneceu em atitude de louvor, o rosto como que sorrindo olhava para o Céu. Era o dia 13 de dezembro de 304.
   Alguns fatos aconteceram neste dia:
   Diocleciano perseguidor cruel dos cristãos em todo o império romano, foi instantaneamente acometido de grave enfermidade, depois de certo tempo foi ao cume de uma colina de Nicomédia para abdicar de suas funções como imperador. Nesse mesmo dia, 1 de maio de 305, Maximiliano também abdicava em Milão. lactâncio
   Os cristãos do século III sofreram muitas e ferozes perseguições, sobretudo sob o império de Diocleciano e Maximiliano.
   Após a morte de Luzia, os católicos de Siracusa, a elegeram sua padroeira. Seis anos depois de sua morte, no ano 310, os católicos construíram uma igreja em sua honra. O corpo da virgem mártir, fora sepultado nas catacumbas onde estavam os Filhos da Cruz e os Mártires de Jesus. Assim ficou até o ano 1040, quando o general grego Jorge Mariace, tomou Siracusa e requisitou o corpo de Santa Luzia, transportando-o para Constantinopla, entregando-a a imperatriz Teodora. Assim ficando até o ano de 1204, quando os cruzados venezianos levaram-na para Veneza, onde está até os dias de hoje na igreja de São Jeremias, numa urna de mármore, sob o altar lateral.
   Santa Luzia é invocada por nós católicos como padroeira dos olhos físicos e espirituais, apesar de que grande maioria dos católicos, só se lembra do olhos da carne, e pouco lembram dos olhos do espirito, nossa fé.
   Santa Luzia! Rogai por nós para que Deus cure nossos olhos físicos e espirituais. Que Deus nos dê olhos que O vejam com uma visão sempre perfeita. Amém.
Ezequiel Rocha

Painel com a história do martírio de Santa Luzia.


Santa Luzia! Rogai por nós para que Deus nos olhos que O vejam.


Na Suécia, Dinamarca, Finlândia e Noruega o dia de Santa Luzia é celebrado dia 13 de dezembro. Na Escandinávia é comemorado com "TRENS LUZIA". Um trem Luzia consiste em um Luzia - UMA MENINA COM UMA COROA DE VELAS EM SEU CABELO - E SUAS SERVAS SEGUINDO - geralmente usando glitter (brilho) ou coroas de flores em seus cabelos, segurando velas. Meninos na forma de "stjärngossar" (estrela).

Jovem representando Sta. Luzia. Foto: Fredrik L. Magnusson

Representando Sta. Luzia

As jovens levam a sério a vida e virtudes de Sta. Luzia.

 Com a intenção de relembrar a vida e virtudes de Santa Luzia entre as moças, a escolha de uma Luzia também se tornou uma tradição. Vamos dar uma olhada em algumas das Lucias de Estocolmo do passado. Essa tradição está acabando.
Ingegerd Hägg, 1942
Marianne Hylén, 1948
Britta Nordling, 1953
Marianne Lestander de 1959
Engström Ingrid, 1960



Catedral de Salisbury com Sta. Luzia com a lâmpada e o punhal; Sta. Agatha com as pinças de sua tortura; Sta. Agnes com o cordeiro; Sta. Cecilia com o orgão.

Sta. Luzia

Fonte e Reportagem - Repórter de Cristo

Nenhum comentário:

Postar um comentário