sábado, 19 de maio de 2012

Vascaíno propõe morte a Corinthianos

Nesta semana tivemos a  primeira  partida entre Vasco e Corinthians, em São Januário, no Rio  de Janeiro, pela Libertadores da  América.
O que mudou o cenário do primeiro jogo foi uma postagem de um vascaíno, propondo até matar corinthianos que fossem ao jogo. Através das redes sociais, o torcedor falava em fazer justiça pelo confronto em São Paulo, entre as torcidas do Corinthians e Palmeiras, que resultou com a morte de alguns torcedores que se enfrentaram.
Pois bem, a ação desse marginal carioca, resultou em um aparato policial, para garantir o ir e vir da torcida Corinthiana que foi ao Rio de Janeiro, sem precedentes.  Houve confusão no trânsito, dificuldade para toda a cidade e, evidentemente, uma preocupação superestimada por parte das autoridades policiais para inibir quaisquer possibilidades de confronto entre as  torcidas.
O que me faz  perceber, é  que estamos com vários  marginais  da pior espécie infiltrados nas torcidas organizadas. Foi-se o tempo em que famílias podiam,  sem qualquer medo ou cuidado, ir aos estádios.
Formaram-se minorias de gangs de bandidos, travestidos de torcedores, que não se intimidam de causar atentados e, deliberadamente e exclusivamente, destinar-sem à guerra.
O que se pode fazer?  Fácil! Como o estatuto do torcedor ainda está embrionário e  a necessidade de torná-lo exequível e pronto até a copa, cabe às autoridades federais, identificar antecipadamente, os marginais que já foram rastreados pelas promotorias regionais, com casos  de  vandalismo, agressões, etc, e  fazer exemplo já com eles.
Prisão sem direito a fiança e julgamento sumário com penas que variem entre 5 a 15 anos, igualando-os a criminosos comuns.
Não terá fim se isto não acontecer e rápido.
O problema é que neste caso em específico, pela irresponsabilidade e burrice desse bandido vascaíno, poderá haver um confronto sem precedentes aos torcedores que virão a São Paulo para o segundo jogo.
Vamos aguardar e trabalhar para voltarmos à sociedade a possibilidade de diversão sem traumas ou medos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário